Jovens sofrem com falta de educação financeira

Padrão


A situação de endividamento dos jovens no Brasil é crescente, dados para comprovar este fato não faltam. Mas o que leva a esta situação? Fatores primordiais são a inexperiência no trato com o dinheiro, os impulsos consumistas e a facilidade em obter crédito, que fazem com que cresça o número de jovens brasileiros endividados. Mudar essa situação, organizando as finanças, é cada vez mais difícil e, para isso, os jovens devem saber o que fazer com os primeiros salários e bolsas-auxílios.
 
Os jovens até 20 anos estão começando a ter acesso efetivo a ferramentas de crédito e estão assumindo o controle de suas finanças, entretanto, em sua maioria, eles não tiveram acesso à educação financeira. O que faz com que, ao terem dinheiro nas mãos, acreditem que possam adquirir tudo o que antes era impossível, utilizando parcelamento ou outras linhas de crédito que são, na verdade, dívidas.
 
É importante viver o presente, mas isso não impede que, já nos primeiros salários, se comece a planejar e construir o futuro com segurança, para ter a certeza de uma vida melhor, com mais qualidade e, no futuro, um aposentadoria tranquila. Para isso, é preciso uma mudança imediata na forma com que os jovens trabalham o dinheiro. É necessário aprender a planejar para realizar sonhos e objetivos, saber o quanto eles custam, quanto tempo levará para realizá-los, e, principalmente, quanto dinheiro mensal será reservado.
 
É importante estabelecer uma relação saudável com as finanças desde cedo, porque, afinal, vivemos em uma sociedade capitalista, na qual o dinheiro é um meio para a realização pessoal. Assim, estabelecendo relações, incitando a reflexões e transmitindo conhecimentos, é importante que o jovem assuma as rédeas da própria vida financeira, por meio de um modo simples e eficaz de lidar com o dinheiro, que é priorizando os sonhos. Por isso, elaborei o ciclo para os jovens ficarem sem dívidas:
 
Ciclo da Vida sem Dívidas
 
Diagnosticar
·         Fazer um diagnóstico financeiro anualmente
·         Distinguir o que é essencial e o que é supérfluo
·         Combater o analfabetismo financeiro
·         Saber o que é consumismo
·         Avaliar criticamente o marketing publicitário
·         Tomar cuidado com o crédito fácil
 
Sonhar
·         Ter, no mínimo, três sonhos: de curto, médio e longo prazos
·         Saber a diferença entre desejo imediato e sonho verdadeiro
·         Definir prazos para realizar cada sonho
·         Priorizar sonhos no orçamento
·         Guardar sempre dinheiro para cada um dos sonhos
 
Orçar
·         Gastar menos do que ganha
·         Adotar modelo de orçamento que priorize o sonho
·         Ter sempre uma reserva para uma situação de emergência
·         Comprar sempre à vista e pedir descontos
·         Evitar compras realizadas em muitas parcelas
·         Viver sempre respeitando o orçamento
 
Poupar
·         Poupar mensalmente parte do que ganha para os sonhos
·         Evitar pagamento de juros do cheque especial, cartão de crédito e de financiamentos
·         Investir de acordo com o tempo de realização dos sonhos
·         Dar preferência para investimentos de baixo risco
·         Respeitar o dinheiro, poupando tanto quanto for possível
 

Reinaldo Domingos é educador e terapeuta financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira, Abefin e Editora DSOP, autor do best-seller Terapia Financeira, dos lançamentos Papo Empreendedor e Sabedoria Financeira, entre outras obras.

Deixe uma resposta