Eleições e a presença na web

Padrão

por Marisa Torres

Você ainda tenta desqualificar a opção político partidária do seu colega de trabalho? Ou da sua rede de amigos? Então talvez esteja um pouco em descompasso sobre as reflexões que esse processo eleitoral jogou na face de todos nós. Seria melhor para a sua comunicação se você conseguisse destacar as virtudes do seu candidato e do seu partido. Sim. Porque combater a escolha do outro, ou apenas criticar, cria um ambiente de ódio e desconforto. É isso mesmo que você quer oferecer nas redes sociais? Certamente poderia enaltecer o debate se começasse a respeitar a escolha alheia. A pergunta é bem básica. Por que você acha que a sua escolha é melhor que a do outro, se o voto tem o mesmo peso na contagem?!

Eu posso entender a sua frustração se o candidato do partido que você não votou arrematou a vaga de vereador ou prefeito. Isso não desqualifica a escolha das outras pessoas. E eu ainda me deparo com um elevado grau de imaturidade na comunicacação de executivos nas redes sociais impondo por meio do texto uma vontade que é só dele. Não vou querer fazer a gestão das redes sociais e dizer o que é certo ou errado. Ela define suas próprias regras. Apenas alertar para um padrão de comunicação que devemos reconhecer quando estamos diante da nossa timeline.

O argumento é o melhor conselheiro nesta hora. Serão sempre as propostas e projetos, o legado do teu partido ou do teu candidato para a sociedade, as melhores formas de se expressar. Nunca combater a escolha do outro. Afinal, isso é respeito. E essas eleições tanto em nível nacional quanto internacional mostraram e desenharam o quanto as pessoas estão cansadas de maus tratos. Cansadas de serem forçadas a ser o que não desejam ser. Revelaram ainda que valores de transparência estão baseados em virtudes de respeito, amorosidade, confiança, de bem estar, de oportunidades iguais. Ou seja, todas as discussões são contra esse tipo de comportamento que não soma. Mas que exclui. Pode ser sobre a base do diálogo, da cor da pele, de gênero, ou de nível social. Acredito que um bom empregador também se baseia nisso para contratar. Afinal, a empresa é apenas um microcosmo do mundo que habitamos. Duvido que alguém queira empregar um executivo ou profissional em geral que vá provocar uma guerra interna com os colegas, fornecedores, clientes e subordinados. Não deixe que suas opiniões lhe roubem a razão, a oportunidade de trabalho e o senso comum de viver em sociedade. As redes virtuais também são uma representação da sua sala de visitas. Assegure-se de não servir um café frio para alguém que lhe trouxe flores da democracia. Não se esqueça, o trabalho é cada dia mais virtual e remoto. Mas a maior distância pode estar no uso das palavras e na expressão dos sentimentos.